Do livro Moinho

Do livro Moinho

sábado, 14 de outubro de 2017

Pássaro como destino: notas para o livro "Desatino" de Lara Carneiro Magalhães



Vira e mexe vou a Montes Claros para atuar como membro titular de bancas de mestrado, avaliando trabalhos acadêmicos que me surpreendem sempre pelo caráter acurado das pesquisas realizadas na Universidade Estadual de Montes Claros (UNIMONTES). Numa dessas empreitadas, conheci a então candidata a mestre, hoje já portadora do título, Noêmia Coutinho Pereira Lopes.
Na ocasião, a professora Noêmia muito me surpreendeu com sua intensa dedicação ao ensino. E a partir de então continuamos em contato, mesmo que à distância. Ela me disse de um projeto de leitura e escrita que desenvolve com seus alunos do Ensino Fundamental, intitulado “Escritores da liberdade na estrada de tijolos amarelos”, numa referência aqui ao fabuloso e inesquecível mundo de Oz criado por L. Frank Baum.
Recentemente, agora em agosto de 2017 num congresso no Rio de Janeiro, nós nos reencontramos e ela me presenteou com três livros de alunas suas que participaram do referido projeto: Lara Carneiro Magalhães, Bibi Ribeiro e Anna Luiza Rocha. Cito os nomes seguindo os anos de edição de cada livro, respectivamente, 2015, 2016, 2017. E seguindo essa ordem, comecei a leitura pelo livro Desatino, de Lara, editado em 2015. Feita a leitura desse volume de poesias, deixo aqui algumas notas.
Estamos no terreno da poesia. E me alegra ver alguém tão jovem (Lara Carneiro nasceu em Montes Claros em 2001) trilhando esse terreno. E acrescento que, no livro em questão, as ilustrações de Karoline Soares recriam com arte e sensibilidade as sensações construídas pelos poemas.
De imediato Lara nos coloca diante da importância, para si, do escrever, da escrita que se faz como busca de autoconhecimento e de entendimento: “Atualmente, escrevo porque encontro nas palavras tudo de que preciso. Posso fazer delas o que eu quiser [...] Este exemplar é apenas uma mera tentativa de fazê-lo, de achar um ponto na reta em que eu realmente me encontre” (“Nota da autora”, p. 7). A busca por esse “ponto na reta” se configura numa imagem bela criada pela jovem autora no poema “Sintonia contraditória” (p. 44): “Páginas nunca terão asas, / Palavras sempre têm.”. E é nas asas das palavras que a poesia se faz, voando, permitindo ao sujeito desejar e criar imagens para o seu desejo: “Pois que amemos; apaixonemo-nos às danças sutis dos ventos!” (“O conceito do amor”, p. 38).
No livro como um todo, encontramos aqui e acolá momentos que demonstram o tato da autora com as palavras poéticas, o que demonstra possibilidades de ela avançar pelo campo da poesia – esta “estrada amarela” –, caso prossiga nessa senda como leitora da boa arte poética e como produtora constante e persistente de textos nessa linha. Assim destaco algumas imagens tais como: “Eu sonho / Sonho com a neve / Nevando quente / Veneno de serpente / Sonho pesadelo / Simplesmente sonho” (“Sonhos”, p. 54) e “Um vazio cheio de nada / Uma escuridão iluminada / Um fogo de chamas frias / Um poema sem rimas / É o tempo se consumindo” (“Como é”, p. 24). Essas imagens paradoxais apontam para a potência do sonho e também para a passagem do tempo, o tempo escoando e ecoando também no belo poema “Relógio de bolso” (p. 20), em que se tece um desejo de parar o tempo, o inexorável tempo.
Destaco outros poemas que, no todo, são melhor realizados, pois apresentam linguagem ágil, condensada, com imagens que mais sugerem do que realmente dizem. E isso, sabemos, é um dos grandes alicerces da poesia. Tais poemas são “Plano de fuga” (p. 55), “Identidades” (p. 58-59), “Nosso tesouro” (p. 71) e “Sabor de chuva” (p. 77). Destaco este último, onde as imagens rápidas e inusitadas são certeiras, recriando sensações do ser atreladas ao momento líquido que a chuva proporciona: “Chuva / Chovendo / De mansinho, / Paira / No ar / Sinal de / Sapo.” (p. 77). Querem imagem mais interessante do que esta, onde se sentem a cena e a sensação úmida da chuva e do coaxar do sapo se imprimindo no leitor?!
No todo, o livro discorre sobre sentimentos e olhares adolescentes acerca do mundo ao redor. Talvez isso chame a atenção de leitores dessa faixa etária. Acrescento, no entanto, que também me chama a atenção o desejo de poetar que vemos em Lara Carneiro, e um desejo de fazer da poesia uma possibilidade de construir e se construir em termos de identidade. Assim vemos no poema “Espelho quem?” (p. 26) um eu fragmentado que se busca: “Espelho, quebrado / Inútil, mal-amado / Que nos revela / Rachados, solitários, cortados / Quebrados / Essa sou eu?”. Essa busca, porém, encontra caminhos vagos, pois o trajeto identitário à frente deve ser construído com incertezas como se lê em “Qualquer coisa” (p. 32-33): “Porque aquele pássaro que voa é o meu caminho / E me guiará”.
E que na incerteza futura encontremos Lara com mais livros, nessa empreitada-pássaro do viver e do poetizar. Que o seu desejo vigoroso de escrever nela permaneça e que continue lendo e escrevendo, se fazendo como escritora. Enquanto houver pessoas assim, a literatura sempre terá forças.

© Evaldo Balbino 2017

28 comentários:

  1. Adorei a análise! É sempre bom contar com professores que nos apoiam e ajudam a encontrar nosso talento.
    Adorei as considerações, foram bem pontuais e servem de incentivo para quem quer trilhar esse caminho.

    ResponderExcluir
  2. Fico realmente encantada quando me deparo com amantes da Literatura. Conheço a professora Noêmia e sou verdadeira admiradora do seu trabalho, do seu olhar e paixão sobre a escrita literária. E quando vejo esse amor dando frutos, aumenta o meu encantamento.
    Excelente análise sobre o livro. Evaldo Balbino expressou com maestria a profundidade das emoções que o livro transmite. Parabéns a Lara Carneiro, Noêmia Coutinho e ao Evaldo Balbino.

    ResponderExcluir
  3. Meu nome é Sofia,e estudo no Oitavo ano,e também sou aluna da professora Noêmia.Eu considero muito importante para a nossa vida ter professores que acreditam no nosso potencial,como nossa professora sempre fez.Adorei a análise sobre o livro,quando eu li,fiquei apaixonada pela escrita,e Lara é uma menina muito talentosa.

    ResponderExcluir
  4. É contagiante o olhar de Noêmia sobre o fazer poético. Ela não é apenas incentivadora dos discentes, mas também de pessoas próximas. Admiro muito a seriedade de seu trabalho e a doçura de sua personalidade. Sucesso sempre.

    ResponderExcluir
  5. É contagiante o olhar de Noêmia sobre o fazer poético. Ela não é apenas incentivadora dos discentes, mas também de pessoas próximas. Admiro muito a seriedade de seu trabalho e a doçura de sua personalidade. Sucesso sempre.

    ResponderExcluir
  6. Uma excelente análise que nos convida a ler o livro. Conheço a professora Noêmia e sou encantada com o belíssimo trabalho que ela desenvolve com estes jovens escritores e principalmente o quanto ela acredita na educação.

    ResponderExcluir
  7. Extremamente orgulhoso pelo trabalho desenvolvido por minha esposa. Sou até suspeito para falar!!! Rsrsrs. Feliz tbm por saber q está rendendo frutos. Agradeço tbm ao professor Evaldo por divulgar no blog o incentivo a novos escritores. Critica de muita qualidade! !!

    ResponderExcluir
  8. Extremamente orgulhoso pelo trabalho desenvolvido por minha esposa e, principalmente, por saber q está rendendo frutos. Parabéns ao professor Evaldo por divulgar em seu blog textos de novos escritores. Incentivando, assim, cada vez mais a prática da leitura e escrita entre os jovens.

    ResponderExcluir
  9. Parabéns à professora Noêmia e tantos outros que têm esperança contagiante na educação. Noêmia com sua dedicação e olhar atento lapida talentos. Do ensino fundamental ao ensino superior faz a diferença por onde passa,transformando vidas e nos ensinando que vale a pena ser professor. Parabéns Noêmia e parabéns ao autor do Blog pela divulgação e brilhante comentário.

    ResponderExcluir
  10. O olhar acurado de Balbino - que antes do crítico é criador (e dos bons - engradece o trabalho de Lara Carneiro, e revela para Minas e para o Brasil o trabalho nobre de Noêmia Coutinho, que há anos desenvolve um projeto pedagógico ímpar à margem da mídia e do medo de enfrentar a batalha pela criação literária.

    ResponderExcluir
  11. O olhar acurado de Balbino - que antes de ser um legítimo crítico, é um criador (e dos bons) - engradece o trabalho de Lara Carneiro, e revela para Minas e para o Brasil o trabalho nobre de Noêmia Coutinho, que há anos desenvolve um projeto pedagógico ímpar à margem da mídia e do medo de enfrentar a batalha pela criação literária.

    ResponderExcluir
  12. Noêmia é a minha professora e fico feliz com o trabalho realizado por ela. Ano após ano ela continua na estrada de tijolos amarelos encontrando novos personagens com o intuito de contar suas histórias,e como sempre, ela fornece a sua ajuda. Uma excelente análise sobre a obra de Lara, que cada dia recebe mais reconhecimento.

    ResponderExcluir
  13. Conheci Noĕmia Coutinho quando cursamos uma disciplina do mestrado.Logo percebi que se tratava de uma professora dedicada e cheia de ideais. Acompanhei-a a distância e os seus projetos, que ora culminam com esse belo trabalho. Admiro-a pelo seu amor ao ensino de literatura. Parabéns as autoras. Acertados comentários do professor Balbino.

    ResponderExcluir
  14. É sensacional ter professores assim, que incentivam os alunos, que buscam de qualquer maneira ajudá-los.
    Eu tive o privilégio de ser aluno da professora Noêmia Coutinho, e em uma avaliação de 0 a 10, minha nota é 11 para ela, é uma professora que busca de toda forma, incentivar seus alunos, de fazer com que eles progridem cada vez mais; como prova disso, está os três livros lançados pelas moças.
    Parabéns à professora Noêmia Coutinho, pelo ótimo trabalho que realiza com seus alunos!

    ResponderExcluir
  15. A vida é feita de encontros,desencontros... mas acima de tudo, é feita de muito aprendizado!

    Sempre acreditei que a educação tem um grande poder de transformação, de ampliar horizontes, de nos fazer convites para que apreciemos o mundo por outros ângulos e olhares. Trabalho com Literatura há alguns anos e o que mais tem me chamado a atenção é o poder de encantamento que uma palavra, uma frase, um texto, um livro... podem ter. Ainda mais quando eu percebo brilhando os olhinhos de quem se deixa encantar!

    Assim, tenho procurado orientar e incentivar aqueles que também querem se aventurar na magia do encantamento. Daí o projeto "Escritores da liberdade na estrada de tijolos amarelos"! A escrita liberta e a estrada de tijolos amarelos, como no fabuloso Mágico de Oz, leva a mundos novos, enquanto, ao mesmo tempo, quem a trilha, aprende mais sobre si mesmo.

    Há muita gente de talento por aí, apenas precisando de um empurrãozinho! Há quem diga que o jovem de hoje não goste de ler... Talvez seja interessante repensar em como essa leitura está sendo apresentada a ele!

    O projeto auxiliou alguns adolescentes a tornarem público seus textos e ilustrações! Maria Alice Miranda Fortes, Bibi Ribeiro, Victor Dumont, Lara Carneiro, Karoline Soares, Anna Luiza Rocha, dentre outros, aceitaram o desafio e hoje, suas ideias circulam por outros lugares, independente de seus autores!

    Também ainda me lembro de quando levei Bibi Ribeiro para assistir a uma palestra que ele ministrou aqui em Montes Claros, na Unimontes, em 28 de novembro de 2014. Queria que ela ouvisse dele,Prof. Evaldo Balbino, autor premiado e já com vários livros publicados que, às vezes, o reconhecimento não é como nós gostaríamos que fosse e que o fato de não alcançarmos nosso objetivo naquele momento, não significa que o que escrevemos seja descartável. Ela saiu encantada e inspirada para logo depois, lançar seu livro (o primeiro de outros já lançados!!!) Entre Linhas.

    Encontrei-me, novamente, com o Professor Evaldo no dia de minha defesa da Dissertação no Mestrado. Embora ele fosse suplente em minha banca, assistiu a tudo e depois, ainda, gentilmente, enviou-me as anotações que fizera em minha Dissertação. Bons encontros merecem ser preservados!

    Como professor e apreciador da literatura, entreguei a ele alguns dos livros do projeto e agora, fui surpreendida com essa resenha-crítica de encher os olhos! Um grande aprendizado!

    Esperava um comentário sobre o livro, e não algo com tanto esmero! A apresentação do livro escrita por ele faz com que quem esteja lendo a resenha sinta vontade de saber mais, ler os poemas na íntegra!

    Lara Carneiro brinca com as palavras e, com maestria apesar da pouca idade, descortina novos caminhos para palavras já tão nossas conhecidas!

    O livro de Lara me lembra um poema do livro MOINHO (2006), do Prof. Evaldo, cujo primeiro verso está na abertura do blog. Tomo a liberdade de reproduzi-lo na íntegra:

    (DES)MOTIVO

    Escrevo porque o tempo insiste
    e a minha vida está incompleta.
    Ora sou alegre, ora triste:
    sou poeta.

    Fujo das coisas fugidias,
    no entanto delas é que eu faço
    meu gozo, meu tormento e dias
    no traço.

    Nestes versos que edifico,
    não sei se fico ou me desfaço,
    - não sei, não sei. Não sei se fico
    ou passo.

    Este é o meu canto: um nada que é tudo,
    notas do tempo em que, disperso,
    sei-me entoando um canto mudo:
    - mais nada.

    O DESATINO de Lara é isso mesmo que a ilustração da capa representa: uma grande vontade de olhar pela janela e contemplar a si mesmo, nas descobertas de todo adolescente, ou, nas palavras do Prof. Evaldo, "Escrevo porque o tempo insiste/e a minha vida está incompleta./ Ora sou alegre, ora triste:/ sou poeta.

    Que venham outros livros de Lara, bem como de muitos que estão por aí!
    Obrigada, Professor Evaldo Balbino pelas palavras e por, também, auxiliar na divulgação do trabalho desses jovens escritores!

    Até um próximo encontro!
    Noêmia Coutinho

    ResponderExcluir
  16. Minha sempre admiração à professora Noêmia! E meus Parabéns ao professor Evaldo pela excelente resenha-crítica ao livro de Lara. Aguardando as demais dos outros livros entregues! Abçs Mariela Baptista

    ResponderExcluir
  17. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  18. Sou admiradora do trabalho da professora Noêmia, a qual está sempre a disposição, compartilhando seus conhecimentos comigo e com outros colegas. Atualmente, estou desenvolvendo um trabalho de escrita, assim como esse, na escola onde trabalho. Os livros dessas jovens escritoras estão servindo de inspiração para meus alunos que estão fascinados com a leitura e escrita. É gratificante ver o brilho no olhar de cada um. Lara, Bibi e Ana foram minhas alunas,sei o quanto são talentosas e me sinto orgulhosa em saber que elas estão trilhando os caminhos encantados da literatura. Parabenizo o professor Balbino pela leitura singular de Desatino, com muita sensibilidade abrilhanta e valoriza ainda mais o livro. E que Lara continue a nos seduzir com sua doce poesia.

    ResponderExcluir
  19. Adorei o comentário sobre o livro! Sou Bibi Ribeiro e também tive a honra de, além de ser aluna da Professora Noêmia, ter os meus livros lidos, incentivados e corrigidos por ela! Uma professora que se importa com a educação dos alunos em todos os âmbitos e se dedica ao máximo para que possamos desenvolver todos os nossos talentos, seja na escrita, no desenho, na música ou em qualquer tipo de arte. Também pude conhecer a autora Lara e ter o prazer de participar do lançamento do seu livro, que traz tanta sensibilidade em cada estrofe. Não sei se você se recordará, mas já estive em uma de suas palestras na Unimontes, acompanhando a professora Noêmia e foi uma oportunidade incrível para mim estar presente e poder ouvir um profissional da área com tantas coisas que eram novidade para mim, que acabava de entrar para o universo da escrita. Fui presenteada também com o seu livro "Moinho" e pude me deliciar com cada uma de suas profundas palavras. Espero que também goste dos meus livros! É uma honra que eles sejam lidos por você! Obrigada pela atenção e carinho. Abraços

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Querida Bibi, lembro-me sim desse encontro lá em 2014. Que bom que os versos de "Moinho" lhe tenham chegado tão amigos, lhe tenham trazido delícias. Para mim, é sempre um prazer ler, não apenas autores já clássicos, mas também os que estão chegando. Afinal, literatura é vida e, respirando, ela nunca para de se fazer. Um grande abraço para você!!

      Excluir
  20. Fui aluna da professora Noêmia e digo com toda a firmeza que ela tem como completo o sentido real do ser professor. Uma educadora incrível que transmite conhecimento incentivando o pensamento fora da caixa e o desenvolvimento humano de seus alunos.
    Tenho orgulho de ter feito parte de sua história e guardo lembranças maravilhosas de suas aulas, que para os seus alunos são um show de cultura e conhecimento.
    Noêmia é uma professora muito além do seu tempo, do seu meio! Ela sempre teve a capacidade de interagir da maneira certa e passar segurança, empolgação e conhecimento de alto nível, de maneira leve, para os seus alunos.
    Quero parabenizar a professora Noêmia por esse projeto maravilhoso, também o poeta e escritor Evaldo Balbino pela crítica super bem escrita e principalmente Anna Luiza Rocha, Bibi Ribeiro e Lara Carneiro que começaram a trilhar esse lindo caminho de tijolos amarelos tao brilhantemente.
    Tenho certeza que esse sucesso é só o começo de uma grande caminhada de amor e dedicação.
    Sucesso!

    ResponderExcluir
  21. Prezada professora Noêmia, prezados e prezadas que comentaram esta postagem minha, humilde, sobre o livro da Lara Carneiro:

    De fato, escrever esse texto foi um prazer para mim. A gente sempre escreve quando está lendo. E resolvi, então, registrar por escrito a escrita que se tecia em minha mente e em minhas sensações durante a leitura do livro.

    Desde o início, lá quando a professora Noêmia me deu notícias do projeto que desenvolve com os alunos, fiquei empolgado. Num mundo carente de boas leituras literárias, gosto de ver educadores que estimulem não só essas leituras, mas também as escrituras - o tecer mesmo da tessitura poética. Por isso, desde sempre, parabenizo a professora Noêmia pelo seu esforço, pelo seu talento de pesquisadora e de orientadora das escritas dos seus alunos.

    Um obrigado a todos que comentaram a postagem aqui.

    E vamos que vamos nesta vida, nesta trama de poesia e majestade!!!

    ResponderExcluir
  22. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  23. Que bela analise Evaldo Balbino, e Quão importante é esse incentivo! Sou a Ana Luiza nevea, e Fico imensamente feliz em saber que os livros das meninas estão chegando tão longe. Sou ex aluna do colégio em que estudaram, e tive, também, o privilégio de ser aluna da professora Noêmia, que nunca poupou esforços para tornar seus alunos amantes da literatura, acreditando e investindo sempre em nosso potencial. Que belos frutos lhe renderam. Me sinto orgulhosa por ter sido aluna dessa professora tão querida e ver projetos tão importante como esse dando tão certo. Sucesso à todos vocês!

    ResponderExcluir
  24. Que bela "viagem literária" faz-se ao ler todos esses textos!!! Que possamos ser, todos nós, motivadores e multiplicadores da "arte literária" que desperta a vida. Parabéns a todos os envolvidos nesse projeto.

    ResponderExcluir
  25. Que bela "viagem literária" faz-se ao ler todos esses textos!!! Que possamos ser, todos nós, motivadores e multiplicadores da "arte literária" que desperta a vida. Parabéns a todos os envolvidos nesse projeto.

    ResponderExcluir
  26. Lara Carneiro Magalhães6 de novembro de 2017 22:57

    Recordo-me com clareza do dia em que me pus a escrever o texto que me servira como porta de entrada para o tão vasto universo literário. Estava cursando meu oitavo ano do Ensino Fundamental. Foi quando conheci Noêmia. O conto que eu havia escrito era apenas um rascunho de uma ideia qualquer que havia surgido em minha mente. Bem, não para ela. Entreguei-lhe um papel com minha história, que não rendia mais que dois parágrafos de poucas linhas. Lido o texto, ela sentou-se comigo ao final da aula para corrigir minha narrativa e me aconselhar sobre a escrita. Nesse contexto, não pude deixar de me familiarizar com a magia e com o carisma presente no mundo das palavras. Encantei-me com as aulas da professora Noêmia e logo mergulhei em um infinito mar de letras. A princípio, não sabia exatamente o que fazer com minhas histórias. Contudo, com o passar do tempo, notei que já tinha uma boa quantidade de contos e poemas em mãos e, com o estímulo e o total apoio de Noêmia, publiquei meu primeiro livro de poesias quando cursava meu nono ano. É fato que o projeto realizado por Noêmia de incentivar seus alunos a lutarem pelos seus sonhos tem apresentado belos resultados. A exemplo disso, tive duas colegas que também tiveram seus trabalhos publicados: Anna Luiza Rocha, autora do livro “O mistério guardado” e Karoline Soares, ilustradora habilidosa com desenhos de muita qualidade. É realmente impressionante o jeito como Noêmia conquista seus alunos, acreditando no potencial de cada um e auxiliando-os na busca por uma identidade cheia de mistérios fascinantes. Sou extremamente grata a ela por todo o apoio que tem me dado desde o primeiro dia de aula. Agradeço também ao professor Evaldo Balbino pela análise feita sobre o meu livro. Fico muito feliz mesmo ao ver que o esforço durante todo esse processo valeu a pena. É muito gratificante para mim ter chegado até aqui!!! Abraços!

    ResponderExcluir
  27. Gostei muito dos comentários tecidos acerca do livro Desatino! Sou Anna Luiza, autora do livro O Mistério Guardado, e tive a imensa honra de poder escrevê-lo com o auxílio da professora Noêmia. O mundo da literatura me encanta e fico muito feliz em saber que meu trabalho pôde ser compartilhado e apreciado por diversas pessoas, pois me permite enxergar que tudo o que fiz valeu a pena. A publicação do livro foi feita em 2017, depois de dois anos de dedicação e esforço. Com quatorze anos eu mal podia imaginar que minha escrita chegaria nas mãos de pessoas tão importantes! Hoje, com dezesseis posso afirmar certamente que fui capaz do inimaginável e do "impossível", para algumas pessoas. Deixo aqui meu agradecimento a todos os meus amigos e colegas que me apoiaram nessa caminhada, principalmente a Noêmia Coutinho, porque, sem ela, nada disso seria possível. Aguardo anciosamente os comentários do professor Evaldo Balbino, a serem descritos sobre meu livro. Abraços

    ResponderExcluir